Navegue:
Ibovespa inicia junho praticamente estável, ajudado por Vale (VALE3)

Ibovespa inicia junho praticamente estável, ajudado por Vale (VALE3)

Reabertura na China e sanções europeias impulsionam commodities, sustentando o índice

Gráfico de ações

Foto: Shutterstock

Por:

Gabriel Bosa

Compartilhe:

Por:

Gabriel Bosa

Mesmo em dia de exterior em baixa e juros subindo, o Ibovespa conseguiu fechar o pregão desta quarta-feira (1) em leve alta de 0,01%, aos 111.359 pontos, com R$ 18,68 bilhões em volume negociado, ajudado principalmente pelas ações da Vale (VALE3).

Com isso, o saldo do índice desde o início do ano é de avanço de 6,24%.

O avanço da Bolsa brasileira, porém, não acompanhou o exterior. Nos Estados unidos, o mercado reage ao avanço inesperado da atividade industrial e ao relatório de emprego do país, também positivo, o que aumenta as expectativas de que o Fed (Federal Reserve, o banco central americano) irá elevar ainda mais os juros, podendo causar desaceleração econômica. Além disso, a redução do balanço de US$ 9 trilhões do Fed começa nesta quarta.

Os temores foram um pouco compensados pelo Livro Bege, levantamento do Fed, que apontou que alguns distritos já dão sinais de certa melhora no mercado de trabalho e na inflação.

Na Europa, os investidores repercutiram dados do índice PMI sobre a atividade do setor industrial da zona do euro, que caiu ao menor patamar em 18 meses, em meio aos impactos da escalada inflacionária na região.

Por aqui, em audiência pública extraordinária na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou ontem que o BC seguirá fazendo o que for necessário para combater a inflação, mas que o ciclo de alta de juros está chegando ao fim.

Commodities ajudam o Ibovespa

As ações da Vale refletiram a alta do minério de ferro, que subiu 1,12% na Bolsa de Dalian, ajudado pelo otimismo do mercado com a reabertura econômica em Xangai, após semanas de lockdown para combater a Covid-19.

Além de Xangai, Pequim vem apresentando números de novos casos cada vez maiores, melhorando o humor do mercado – ainda que os receios sobre a velocidade de reabertura da cidade permaneçam.

A tendência, de acordo com analistas da Ativa Investimentos, é que a alta da commodity continue. “Diante de níveis de estoques de minério já baixos e prognósticos positivos quanto ao nível de utilização das siderúrgicas da China, acreditamos que o momento seja positivo para Vale e para as demais siderúrgicas de nossa cobertura”, afirmam, em comentários ao mercado.

A Vale fechou o pregão em alta de 2,36%, e a Usiminas (USIM5) também se destacou, subindo 2,74%.

Os preços do petróleo subiram com o embargo da União Europeia (EU) ao óleo russo. O mercado está de olho na reunião da Opep+, já que a expectativa é que o grupo mantenha a oferta apertada, mesmo com a retomada econômica da China. O Brent subiu 0,6%, a US$ 116,29 por barril.

Com isso, as petroleiras listadas no Ibovespa subiram em bloco. Petrobras (PETR4) subiu 0,13%; PetroRio (PRIO3), 0,57%; e 3R Petroleum (RRRP3), 0,04%.

Outros destaques

No fechamento, as maiores altas do Ibovespa foram de Hypera (HYPE3), WEG (WEGE3) e Usiminas (USIM5), com ganhos de 7,66%, 3,31% e 2,74%, nesta ordem.

A Hypera anunciou na noite de terça-feira (31) que fechou um acordo de leniência com a CGU (Controladoria-Geral da União) e com a (AGU) Advocacia-Geral da União referente ao pagamento indevido para senadores do MDB para obter vantagens em benefício da empresa

A companhia concordou em pagar R$ 110 milhões à vista e disse que o valor será “integralmente suportado” pelo principal acionista e fundador da companhia, João Alves de Queiroz Filho. Segundo dados da plataforma do TradeMap, ele é dono de 21,4% do negócio e não ocupa cargos na empresa.

Na direção oposta, as maiores perdas foram de Azul (AZUL4), Ecorodovias (ECOR3) e Engie (EGIE3), com perdas de 5,82%, 4,69% e 3,86%, respectivamente.

Estas empresas, assim como outras mais expostas à economia doméstica, estão sob pressão negativa por causa da perspectiva de desaceleração no crescimento da economia ao longo deste ano, somada à expectativa de aumento dos juros e de permanência destas taxas em níveis elevados por um período mais longo.

Juros maiores encarecem o crédito e financiamentos. Isso, em contrapartida, tende a prejudicar as empresas em duas frentes distintas – por um lado aumentando suas despesas financeiras e, por outro, arrefecendo o consumo.

Fora do Ibovespa, as ações da Oi (OIBR3) despencaram 10,96%, uma vez que o mercado avaliou a repactuação das dívidas da companhia com a Anatel como pior do que o esperado. A agência reguladora dará um desconto de 55% sobre as dívidas da empresa, que caíram para R$ 7,3 bilhões.

Bitcoin

O mercado de criptoativos perdeu o fôlego nesta quarta-feira e acompanhou os mercados globais em meio ao repique do temor com os efeitos da inflação alta e do baixo crescimento econômico.

Por volta das 17h05, o Bitcoin (BTC) registrava queda de 4,7% em 24 horas, cotado a US$ 30.220. Apesar do dia negativo, a maior cripto em capitalização tinha avanço de 2% em sete dias, conforme a CoinGecko.

O mau humor também derruba as altcoins, como são chamados os ativos além do BTC. O Ethereum (ETH), segunda maior cripto do mercado, caia 5,9%, a US$ 1.824, enquanto a Cardano (ADA) perdia 7,1, cotada a US$ 0,55.

Compartilhe:

Compartilhe: