Navegue:
Eneva (ENEV3) lucra menos no 4º trimestre, mas dívida cai e pode permitir dividendos

Eneva (ENEV3) lucra menos no 4º trimestre, mas dívida cai e pode permitir dividendos

Despesas maiores ofuscam crescimento na receita no quarto trimestre, mas Eneva enfatiza esforço de reduzir dívida

eneva

Foto: Divulgação / Eneva

Por:

Compartilhe:

Por:

O aumento nas despesas da Eneva impediu a empresa de lucrar mais no quarto trimestre de 2021 em relação a igual período do ano anterior, mas não deteve a redução no endividamento – algo considerado essencial pela companhia para a introdução de uma política de dividendos.

Segundo dados divulgados ontem à noite pela Eneva, o lucro líquido do quarto trimestre caiu 28,7% em relação a igual período de 2020, para R$ 489,4 milhões.

A receita líquida cresceu 37,5% na mesma base de comparação, para R$ 1,683 bilhão, mas foi amplamente consumida pelos custos operacionais, que cresceram 50,3%, para pouco mais de R$ 1 bilhão, e por perdas com operações financeiras, que dobraram entre o quarto trimestre de 2020 e igual período de 2021, para R$ 152,2 milhões.

As perdas com operações financeiras aumentaram por causa do crescimento nas despesas com debêntures atreladas ao CDI e da desvalorização do real nas operações de compra de carvão e em pagamentos de contratos indexados ao dólar.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) aumentou 39,0%, para R$ 842,5 milhões.

No acumulado de 2021, o lucro da Eneva aumentou 16,4%, para R$ 1,173 bilhão, enquanto a receita líquida cresceu 58,0%, para R$ 5,124 bilhões. O Ebitda subiu 37,6%, para R$ 2,2 bilhões.

Endividamento caindo e chance de dividendos

A Eneva enfatizou, na divulgação de seus resultados, que está num esforço para diminuir os níveis de endividamento da companhia e aumentar o crédito disponível caso surjam oportunidades futuras de investimento.

Ela destacou que a dívida líquida passou a representar 2,8 vezes do Ebitda acumulado em 12 meses ao fim do ano passado, ante 3,4 vezes no segundo trimestre de 2021.

 

Fonte: Eneva

“Até o presente momento, a ausência de dividendos maximiza nossa capacidade de arcar com as nossas dívidas e pagá-las rapidamente, proporcionando a flexibilidade necessária para o crescimento. Com o amadurecimento dos nossos projetos e a obtenção de fluxos de caixa livre significativos em 2022, poderemos executar o ‘trilema do crescimento’ e implementar uma política de dividendos”, disse a empresa.

Compartilhe:

Compartilhe: