Navegue:
BTG Pactual volta a cobrir 3R Petroleum (RRRP3) e calcula que ação pode triplicar

BTG Pactual volta a cobrir 3R Petroleum (RRRP3) e calcula que ação pode triplicar

Para analistas, petroleira tem potencial para resultados promissores já em 2022 com seu portfólio recém-construído

3R Petroleum Reproducao

Foto: 3R Petroleum/Divulgação

Por:

Compartilhe:

Por:

Em relatório divulgado na manhã desta quinta-feira, 16, o BTG Pactual informou que voltou a cobrir a 3R Petroleum, depois de dois meses com o papel fora da área de cobertura. No retorno, o banco de investimento manteve o otimismo que já tinha com a companhia e estimou preço-alvo de R$ 92 para daqui a 12 meses, três vezes o valor do fechamento de quarta-feira, dia 15, a R$ 29,50. Trata-se de uma valorização potencial de 211%.

Na avaliação de Pedro Soares e Thiago Duarte, analistas do BTG, as ações da petroleira permanecem altamente descontadas, considerando o nível de reservas de petróleo que já foram provadas em seu portfólio, que deve eventualmente reduzir a percepção de risco.

“Embora uma das principais dificuldades que tivemos desde o IPO no ano passado esteja ligada ao fato de que a geração de caixa da 3R Petroleum está mais baixa, tornando as reservas uma métrica menos útil para a geração de valor, agora vemos a empresa focando no desenvolvimento de seu portfólio recém-construído”, afirmam os analistas, que estimam, para 2022, um múltiplo de 3,7 vezes para o valor da empresa sobre o Ebitda.

O que mudou nos últimos meses?

O banco destaca que, desde o seu último relatório sobre a petroleira, publicado em outubro, a 3R foi escolhida como o licitante preferido para o Polo Potiguar, pertencente à Petrobras.

Além disso, a companhia também levantou cerca de R$ 2,2 bilhões em sua oferta subsequente de ações (follow-on) para apoiar a aquisição, recebeu certificação de reserva no campo Papa-Terra, passou a operar o Areia Cluster Branca após a conclusão da aquisição da Duna e relatou outra rodada de incentivo às taxas de revitalização em Macau e Rio Ventura, onde a produção é agora 38% acima dos níveis relatados pela Petrobras antes que esses ativos fossem vendidos para a 3R.

“Nós vemos todos esses eventos como positivos para o caso e pilares da tese de investimento, reforçando a capacidade da empresa de crescer inorganicamente por meio de fusões e aquisições oportunistas que oferecem produção potencial de crescimento e redução de custos”, comentam os analistas.

Depois de entregar um bem-sucedido programa de fusões e aquisições, em uma estratégia apoiada por múltiplos de entrada baixos, a 3R Petroleum está pronta para embarcar em uma nova fase de expansão orgânica, disseram também os analistas.

Às 13h10, os papéis da 3R (RRRP3) subiam 4,68%, a R$ 30,88. Em um ano, contudo, registram queda de 8% na B3. Acompanhe a cotação em tempo real pelo TradeMap.

Compartilhe:

Compartilhe: