Minerva reverte prejuízo; Cielo tem queda de 69% no lucro

Minerva Foods - Dilvulgação
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

[vc_column width=”1/1″][vc_column_text css=”.vc_custom_1580925754915{padding-right: 13% !important;padding-left: 13% !important;}”]

A Minerva Foods apresentou lucro líquido de R$ 271 milhões nos três primeiros meses de 2020, revertendo prejuízo de R$ 31,4 milhões no primeiro trimestre de 2019.

→ Leia também: B3 divulga terceira prévia da nova carteira do Ibovespa

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 381,5 milhões, expansão de 16% na base anual. Segundo a companhia, esse foi o maior Ebitda já registrado em um primeiro trimestre.

A receita líquida da Minerva alcançou R$ 4,2 bilhões no primeiro trimestre deste ano, expansão de 12% na comparação anual. No acumulado dos últimos doze meses encerrados em março de 2020, a receita líquida acumulou R$ 17,6 bilhões.

“A Minerva inicia o ano de 2020 com sólida performance operacional e financeira, consolidando sua posição como um dos principais players do mercado global de carne bovina”, disse em nota o diretor presidente da frigorífica, Fernando Galletti de Queiroz.

Às 15h, os ativos ordinários da Minerva (BEEF3) subiam 4,87% no pregão desta quarta-feira, 29.

Cielo

A Cielo, por sua vez, registrou um lucro líquido de R$ 166,8 milhões no 1º trimestre de 2020, cifra 69,4% inferior em relação ao mesmo período do ano passado, quando lucrou R$ 544,7 milhões.

Já em comparação ao quarto trimestre de 2019, a Cielo apresentou uma queda de 24,6% em seu lucro líquido, quando havia reportado R$ 221,3 milhões.

O Ebitda acompanhou a queda, somando R$ 573,8 milhões no período encerrado em março, o que representa uma baixa de 30,7% no comparativo anual.

Contudo, a receita operacional líquida da companhia foi de R$ 2,830 bilhões no período, um crescimento de 2% frente ao primeiro trimestre do ano anterior, mas queda de 4,9% sobre o 4T19.

“Em relação ao quarto trimestre de 2019, a redução do volume transacionado, e consequentemente da receita, ocorreu devido à sazonalidade do negócio de adquirência da Cielo, da gestão de cartões da Cateno, assim como pelos primeiros efeitos da pandemia [de coronavírus]”, ressaltou a empresa em nota.

Às 15h, as ações ordinárias da Cielo (CIEL3) registravam alta de 1,91%. Acompanhe a cotação dos papéis brasileiros e norte-americanos com o TradeMap.

Foto: Dilvulgação

[/vc_column_text][/vc_column]

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Rolar para o topo
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais