Navegue:
Arroz com feijão da Camil (CAML3) é o que dará força aos resultados do 1º tri, diz Itaú BBA

Arroz com feijão da Camil (CAML3) é o que dará força aos resultados do 1º tri, diz Itaú BBA

Camil deve reportar margens de lucro maiores no primeiro trimestre, puxadas por preços mais altos para arroz e feijão

prato de arroz com feijão

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

O aumento nos preços de alimentos, em particular do arroz e do feijão, deve ajudar a Camil (CAML3) a reportar crescimento na receita e nas margens de lucro do trimestre encerrado em maio – o primeiro do ano 2022 nos padrões de divulgação da companhia. A avaliação é do Itaú BBA, que no fim de junho passou a recomendar a compra da ação da Camil.

Segundo o banco, ainda que o resultado líquido da companhia fique perto da estabilidade durante o período, o resultado operacional da Camil deve melhorar, impulsionado também pelas operações de café e de massas.

“No Brasil, a operação de arroz deve apresentar uma redução nos preços na comparação anual, mas pode haver melhoras sequenciais, já que os preços de mercado subiram 13% no trimestre a trimestre”, disse o Itaú BBA em relatório.

⇨ Quer conferir quais são as recomendações de analistas para as empresas da Bolsa? Inscreva-se no TradeMap!

No caso do feijão, a alta de preços chega a aproximadamente 20%, mas o banco ressalta que a concorrência elevada pode ter menos efeitos benéficos sobre a margem da companhia.

O Itaú BBA disse também que o aumento na produção de café da Camil e os repasses de custo da Santa Amália, fabricante de massas, para os consumidores são elementos adicionais que ajudarão nos resultados da companhia durante o primeiro trimestre.

“No total, prevemos um Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de aproximadamente R$ 222 milhões, com margem Ebitda de 9,3% – ante 8,2% no primeiro trimestre de 2021”, acrescentou.

As ações da Camil registram forte alta desde o fim de maio, quando atingiram o menor preço desde 2020. De lá para cá, o papel se valorizou 42%.

Dados compilados pela Refinitiv mostram que, entre sete especialistas consultados, cinco recomendam a compra da ação da Camil. A mediana das estimativas de preço-alvo para o papel é de R$ 13,50 – o que representa um potencial de 23% de alta em relação à cotação desta quarta-feira.

Por volta das 14h25, a ação da Camil subia 1,48%, para R$ 10,98. A empresa publica os resultados do primeiro trimestre nesta quinta-feira (14).

Compartilhe:

Compartilhe: