Navegue:
Ambev (ABEV3) dispara e lidera as altas do Ibovespa após J.P Morgan elevar recomendação

Ambev (ABEV3) dispara e lidera as altas do Ibovespa após J.P Morgan elevar recomendação

Por volta de 12h33, os papéis da cervejaria subiam 5,87%, a R$ 14,59, enquanto o principal índice da B3 subia 0,56%, aos 98.819 pontos

Caminhão da Ambev

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

A ação da Ambev (ABEV3) dispara e é a maior alta do Ibovespa nesta quarta-feira (13), diante da expectativa positiva para o segundo semestre da companhia e da elevação de recomendação pelo J.P Morgan, após um primeiro trimestre ruim.

O banco americano elevou a recomendação da maior cervejaria do mundo de neutro para overweight (equivalente à compra), e alterou o preço-alvo de R$ 15 para R$ 17, refletindo a queda dos preços das commodities, que era a “peça que faltava” para a revisão da empresa, de acordo com os analistas Lucas Ferreira, Ulises Argote e Sebastian Hichman.

Para o J.P Morgan, a movimentação se deve ao rastreamento de preços, que indica que a execução da receita ainda está no ponto, com a empresa pressionando os preços sem elasticidade significativa ou perda de volume.

⇨ Quer conferir quais são as recomendações de analistas para as empresas da Bolsa? Inscreva-se no TradeMap!

No relatório distribuído ao mercado nesta quarta, o J.P ressalta também que o segundo semestre da Ambev deve ser sustentado pela Copa do Mundo, eleições, aumento da mobilidade e elevação da transferência de renda da população, inflado por medidas do governo.

Além disso, a subida da ação é acompanhada por alguns relatórios divulgados por bancos projetando o balanço do segundo trimestre da companhia, com uma perspectiva de aumento na receita.

Segundo o Bank of America (BofA), a receita da Ambev deve subir 8% impulsionada pelo consumo de bebidas no mercado brasileiro e na América Latina. O banco espera um crescimento no volume de cervejas no Brasil semelhante ao registrado no primeiro trimestre — em 2,6% na comparação anual.

O Itaú BBA, por sua vez, vê a empresa tendo uma receita líquida 14,3% maior na comparação anual, passando de R$ 15,71 bilhões para R$ 17,95 bilhões no segundo trimestre deste ano. 

Em relação à competição com a Heineken, o BBA acredita que os aumentos de preços da concorrente podem indicar algum ganho de participação de mercado.

Embora o Itaú BBA projete um aumento no volume e ganhos na participação de mercado, a empresa ainda enfrenta um ambiente de consumo difícil. “Nesse sentido, esperamos que os volumes de cerveja no mercado brasileiro da Ambev aumentem 5% na comparação anual”, diz o analista Gustavo Troyano.

A AmBev divulgará os resultados do segundo trimestre do ano no dia 28 de julho, antes da abertura do mercado.

Por volta de 12h33, os papéis da cervejaria subiam 5,87%, a R$ 14,59, enquanto o principal índice da B3 subia 0,56%, aos 98.819 pontos.

Compartilhe:

Compartilhe: