Moody’s eleva rating da Usiminas (USIM5) para “Ba2”, com perspectiva estável

Em relatório, agência aponta que a elevação dos ratings aconteceu por conta do fortalecimento da posição de liquidez

Usiminas foto divulgacao

Foto: Usiminas/Divulgação

Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

A Moody’s divulgou na terça-feira, 16, que elevou o rating corporativo da Usiminas, de “Ba3” para “Ba2”. Ao mesmo tempo, atualizou o rating de notas sêniores sem garantia de ativos reais de US$ 750 milhões com vencimento em 2026, emitidas pela subsidiária Usiminas International. As perspectivas para as classificações são estáveis.

Em relatório, a Moody’s aponta que a elevação dos ratings aconteceu por conta do fortalecimento da posição de liquidez da siderúrgica e índices de alavancagem observados desde o início do ano. Esses fatores deixam a empresa mais preparada para suportar a volatilidade futura nas operações e mitiga os riscos associados aos investimentos.

“As condições favoráveis da indústria para aço e minério de ferro durante 2021 levaram a Usiminas a ter caixa líquido no segundo trimestre deste ano, devido a uma geração de fluxo de caixa livre acumulada de R$ 3,4 bilhões desde outubro de 2020”, destaca.

A alavancagem bruta ajustada da companhia também caiu para o menor nível histórico de 0,7 vez nos últimos 12 meses encerrados em setembro deste ano.

Outro ponto levantado pela Moody’s é o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, em português) consolidado da Usiminas, que aumentou para R$ 10,3 bilhões durante o terceiro trimestre, suportado por preços mais altos do aço no Brasil, além de outros fatores.

Para 2022, a agência de classificação de risco espera que os preços domésticos de aço laminado quente (BQ) e do minério de ferro 62% Fe do Brasil moderem, mas permaneçam acima das médias históricas.

Esses níveis de preços, combinados com um ambiente de demanda ainda favorável por aço no país, se traduzirão em um Ebitda ainda forte e geração de caixa para a siderúrgica, o que apoiará maior acúmulo de caixa antes dos investimentos e as necessidades de capital de giro associadas em 2022 e 2023.

Na terça (16), os papéis da empresa (USIM5) fecharam em queda de 2,89%, a R$ 13,11. Em um ano, as ações registram ganhos de quase 25% na B3. Acompanhe a cotação em tempo real pelo TradeMap.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Tags:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Rolar para o topo
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais