Sofia Abreu Colunista TradeMap2

Por Sofia Abreu

Colunista de renda fixa da Agência TradeMap

Graduada em Direito e servidora pública desde 2012, já atuou como bancária do Banco do Brasil e atualmente é servidora do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região. Publica conteúdo financeiro em seu canal do Youtube – Servidor que Investe – e em seu instagram.

Procurou Tesouro IPCA+2026 e não encontrou? Veja por que negociação de títulos é suspensa

Imagem do aplicativo Tesouro Direto

Foto: Shutterstock

Compartilhe:

Com relativa frequência, algumas vezes por mês ou até por semana, é possível que você acesse o site do Tesouro Direto ou tente investir nestes papéis via corretora de valores e, ainda que seja um dia útil, em pleno horário de funcionamento do mercado financeiro, não haja praticamente nenhum título para ser negociado, seja em operação de compra ou de venda.

Podemos ver essa situação, por exemplo, dessa forma a seguir, no site do Tesouro Nacional:

tabela do Tesouro Direto com títulos fora do ar
Foto: Reprodução do site do Tesouro Direto

Perceba que só opções de Tesouro Selic para operações de investimento, não sendo possível comprar ou vender nenhum outro tipo de título.

E por que isso acontece?

Para começo de conversa, é importante você saber que os preços e taxas dos títulos públicos do Tesouro Direto são atualizados três vezes ao dia pelo Tesouro Nacional: uma vez na parte da manhã; outra, próximo ao meio-dia; e uma última, por volta das 15 horas – o mercado para negociação fica aberto em dias úteis das 9h30 às 18h.

Essa atualização frequente ocorre porque o Tesouro Nacional tem duas frentes de negociação de títulos públicos.

A primeira é onde há compra e venda de títulos entre o Tesouro Nacional e os investidores pessoas físicas via Tesouro Direto;  e a segunda frente (o chamado mercado secundário) é realizada entre o Tesouro Nacional e as instituições financeiras e onde existe um volume muito maior de negociações.

As negociações que efetivamente definem os preços e taxas dos títulos públicos são aquelas praticadas no mercado secundário. Três vezes ao dia, os valores são atualizados para serem aplicados também nas negociações entre o Tesouro Nacional e as pessoas físicas por meio do Tesouro Direto.

Em momentos de estresse do mercado financeiro, de medo exacerbado e de incertezas, pode ocorrer um descolamento entre os preços e taxas praticados no mercado secundário e aqueles em vigor no sistema de negociação do Tesouro Direto.

Quando isso ocorre o Tesouro Nacional acaba suspendendo as negociações do Tesouro Direto. O objetivo é proteger o investidor pessoa física de realizar operações com preços e taxas que não estão mais sendo usadas na prática no mercado secundário.

Leia também:
A estratégia de renda fixa para proteger os investimentos da inflação

O Tesouro Nacional suspende as negociações até que o mercado se acalme e que as taxas passem a oscilar com menos volatilidade. Nessa condição, é possível definir referências mais acuradas para os preços e taxas dos títulos negociados no Tesouro Direto.

Essas suspensões, então, representam uma segurança para o investidor pessoa física, de maneira a garantir que as operações de compra e venda possam ser realizadas com preços e taxas justos e adequados aos que está sendo praticado no mercado secundário.

Volatilidade

Como dito, em momentos de maior estresse e volatilidade do mercado financeiro, as suspensões são mais frequentes.

Um exemplo real disso é o que tem acontecido nas últimas semanas de abril e início de maio de 2022, com a escalada dos juros aqui, no Brasil, e também nos Estados Unidos. Esse movimento de aperto monetário, que implica provável desaquecimento da economia, tem aumentado a percepção de risco dos mercados financeiros em escala global, fazendo com que suspensões nas negociações das taxas dos títulos públicos no mercado brasileiro ocorram com mais frequência.

Para os próximos meses, quanto mais intensa for a escalada de juros aqui e lá fora, é provável que vejamos mais suspensões nas negociações das taxas dos títulos públicos.

Geralmente, as suspensões tendem a durar o mínimo de tempo possível para que o Tesouro Nacional seja capaz de voltar a atualizar com assertividade as taxas para o Tesouro Direto. Pela experiência geral, as suspensões duram algumas horas, podendo, em casos mais drásticos, perdurar por um dia inteiro.

O Tesouro Nacional, porém, não expõe claramente se há um prazo mínimo ou máximo de horas ou dias em que a suspensão pode durar.

Diante disso tudo, não se assuste se algum dia você se deparar com um impedimento dessa natureza para compra e venda de títulos públicos.

O Tesouro Direto faz isso exatamente para proteger você, investidor pessoa física, de oscilações mais agressivas de mercado. Assim, evita-se negociações com taxas descoladas das do mercado secundário.

 

*As opiniões, informações e eventuais recomendações que constem dos artigos publicados pela Agência TradeMap são de inteira responsabilidade de cada um dos articulistas. Os textos não refletem necessariamente as posições do TradeMap ou de seus controladores.

Compartilhe: