Fotos dos Colunistas Professor Giacomo

Por Giácomo Diniz

Colunista de ações da Agência TradeMap

Graduado em Economia pela FEA-USP e com MBA pela FIA, trabalha e investe no mercado há mais de 20 anos. Atua como professor de finanças e investimentos em instituições como B3 Educação, FIA, Apimec, Saint Paul e Ibmec e como consultor para gestão de grandes fortunas e fundos de pensão. Publica conteúdo financeiro no YouTube  do TradeMap.

Quer diversificação internacional? Veja por que vale investir em BDRs hoje

BDRs

Compartilhe:

Uma revolução nas regras da CVM, a xerife do mercado, abriu um novo universo para o investidor brasileiro em 2020. Estou falando da disponibilidade de acesso aos BDRs para pessoas físicas na B3.

Você sabia que, por meio desses títulos e com poucos recursos, é possível montar uma carteira diversificada internacionalmente? Mas primeiro vamos entender alguns conceitos sobre eles.

Um BDR é uma espécie de recibo. Esse nome é dado a um tipo de valor mobiliário que possui características específicas.

Para quem não está familiarizado com a terminologia, uma ação é um valor mobiliário, assim como todos os títulos negociados no mercado de capitais supervisionado pela CVM.

O BDR confere direitos ao seu portador semelhantes ao detentor do valor mobiliário original. O objetivo do recibo é este mesmo, espelhar outro ativo.

Parece complicado, mas não é. Quando compro um BDR da Coca-Cola no Brasil, adquiro um recibo que me confere os direitos do dono de uma ação da empresa nos Estados Unidos. Logo, posso afirmar que, de certa forma, sou acionista da Coca-Cola!

Como isso é possível?

A CVM criou duas classes de BDRs. Os chamados BDRs patrocinados são utilizados exclusivamente por empresas estrangeiras que desejam fazer uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na B3.

Para criar esse tipo de BDR, a companhia tem que se registrar na CVM da mesma forma que uma empresa brasileira e, assim, ter autorização para fazer a oferta de ações no Brasil.

Após algumas iniciativas, a modalidade patrocinada não tem encontrado muitos adeptos no mercado atualmente. É percebido que as empresas estrangeiras (ou mesmo brasileiras, como a XP) preferem fazer IPO nos EUA.

A outra classe desse ativo são os BDRs não patrocinados. Esses criam espaço para instituições trazerem companhias estrangeiras e brasileiras com capital aberto no exterior, para negociar papéis na B3 independentemente do registro da empresa na CVM. Sendo assim, esta modalidade não abre espaço para IPOs no Brasil.

Voltando ao nosso exemplo, a Coca-Cola, como a empresa não é registrada aqui na CVM, seria preciso criar um BDR não patrocinado para poder negociá-la na B3.

Risco do investimento

No Brasil, o emissor do BDR é chamado de banco depositário e funciona como o agente garantidor de toda a estrutura por trás da disponibilidade do título no país.

Para cada “Y” BDRs emitidos no Brasil são necessários “X” ativos custodiados nos EUA, por exemplo. Coloquei dessa forma porque não necessariamente a relação é de um para um. O responsável pela guarda dos ativos que garantem os termos de troca é chamado de custodiante do programa de BDRs.

Um risco que podemos destacar no investimento em BDRs é a oscilação dos preços, o chamado risco de mercado, desses ativos. Mesmo se for uma ação americana, o título é um investimento em renda variável e o preço também varia ao longo do tempo.

Outro ponto que o investidor deve sempre estar atento é a variação do dólar, pois a maioria desses ativos é precificada nesta moeda.

BDR paga dividendos?

Sim! Vamos entender como funciona. Quando a Coca-Cola paga dividendos para seus acionistas, esse dinheiro vai parar na mão do custodiante que detém as ações do programa de BDR no país onde a companhia está listada.

Essa instituição repassa internacionalmente esses recursos para o banco depositário, que, após recolher as suas taxas, redistribui o valor final proporcionalmente entre os donos dos BDRs da Coca-Cola no Brasil.

Qual a vantagem de investir em BDRs?

A primeira e grande vantagem é a diversificação internacional. A ação da Coca-Cola é negociada em Nova York, em dólares, logo a cotação daqui acompanha também a variação do dólar. Isso minimiza a sua exposição ao risco Brasil, por exemplo

Assim como existem BDRs de ações, também estão disponíveis os recibos de cotas fundos de índices, os ETFs (Exchange Traded Funds) internacionais. Ao comprar um BDR de ETF, por exemplo, você está investindo em cotas de um tipo desse fundo negociado nos Estados Unidos.

Isso cria muitas oportunidades de investimentos em setores e países específicos, o que considero uma grande vantagem.

Leia mais:

ETFs, um atalho para começar a investir em Bolsa? Entenda como

Sob a lei brasileira

Outro aspecto que deve ser levado em conta é que você estará submetido(a) às leis brasileiras, apesar de investir em ativos estrangeiros. Isso pode simplificar muito a sua declaração de imposto de renda por exemplo.

Umas das dificuldades em enviar recursos para o exterior é que você passa a ter que atender a mais uma regulação. Mantendo seus investimentos internamente via BDR, você mitiga esse tipo de risco. Atualmente, existem quase mil BDRs disponíveis na B3.

Essa variedade de ativos nos leva também a grandes oportunidades de aplicar a análise fundamentalista de ações.

Uma metodologia muito comum é a seleção de investimentos com base em fundamentos predeterminados. Quanto mais empresas você tem na base para a aplicação do filtro, maior a chance de que uma oportunidade de investimento seja encontrada.

Hoje todos os BDRs têm liquidez?

No mercado, existe a figura do arbitrador, que sempre estará disposto a ganhar alguns centavos por ação, comprando papéis nos EUA e vendendo BDRs aqui. A qualquer momento é possível um grande investidor operar nos dois mercados e fazer dinheiro com isso.

E se o dólar despenca depois que comprei um BDR?

Isso faz parte dos riscos assumidos. Se você investe em um ativo sensível ao dólar e a moeda cai, as cotações desse ativo também poderão seguir o mesmo caminho desde que a ação lá fora não suba mais do que o dólar que caiu aqui.

Quais são os custos para investir em um BDR?

Do ponto de vista operacional, como eu disse anteriormente, o funcionamento é idêntico ao do mercado acionário. Logo para investir em BDRs você pagará corretagem como principal custo.

Os BDRs são negociados como ações na B3 e possuem códigos com final 33 e 34. Na plataforma do TradeMap, você pode pesquisar esses ativos e, se desejar, comprá-lo diretamente por meio da corretora à qual está vinculado.

Também não deixe de conferir a minha trilha no canal do Trademap no Youtube.

Compartilhe:

Compartilhe: